Médicos e profissionais da área voltam a ocupar posições de destaque no Ministério da Saúde



No ministério de Gilberto Occhi, apenas um de seus secretários era da área; agora, quadro se inverteu e profissionais de saúde são maioria

BRASÍLIA – O ministro da SaúdeLuiz Henrique Mandetta, nomeou sua equipe de secretários, majoritariamente formada por médicos. Depois de a participação ter sido reduzida nas últimas gestões – no ministério de Gilberto Occhi, por exemplo, apenas um de seus secretários era da área – o movimento se inverteu e agora profissionais de saúde são maioria.

Mandetta é ortopedista. Seu secretário-executivo e braço direito será o pediatra e ex-secretário de Saúde do Rio Grande do Sul, João Gabbardo dos Reis. O cardiologista e pesquisador Denizar Vianna fica à frente da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos (SCTIE). A pediatra Mayra Pinheiro assume a Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde (SGTES).

Enfermeiro e doutor em epidemiologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul e há mais de 15 anos trabalhando no Ministério da Saúde, Wanderson Kleber foi nomeado secretário de Vigilância em Saúde, do Ministério da Saúde (SVS).

Dois dos nomes que não têm como formação inicial a área de saúde na equipe de Mandetta trabalharam na gestão anterior. A Secretaria de Atenção à Saúde continuará sob o comando de Francisco Figueiredo, administrador de empresas que chegou ao ministério na gestão de Ricardo Barros. Marco Toccollini, militar da reserva e bacharel em Ciências Contábeis, permanece à frente da Secretaria Especial de Saúde Indígena (SESAI).

O pesquisador e médico de família Erno Harzheim vai comandar a Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Essa secretaria, no entanto, tem os dias contados. Mandetta anunciou que irá reformular o ministério. A ideia é criar a Secretaria Nacional de Atenção Básica, responsável pelo Programa de Saúde da Família, Agentes Comunitários, ações de promoção da saúde e prevenção de doenças.

Hoje, essas atividades estão concentradas em um departamento do ministério. Com a mudança, a ideia é dar mais visibilidade, autonomia e poder para esse setor, considerado prioritário por Mandetta. Quando a mudança for feita, a Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa deixará de existir.

fonte: https://saude.estadao.com.br/noticias/geral,medicos-e-profissionais-da-area-voltam-a-ocupar-posicoes-de-destaque-no-ministerio-da-saude,70002664940